Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

D. NUNO ÁLVARES PEREIRA

À Fraternidade dos Antigos Escutas do CNE foi-lhe indicado como patrono a figura notável de um ser humano, que se destacou ao longo da vida por defender valores em que sempre acreditou, e que muito se aproximam dos mesmos que os escuteiros querem fazer todo o possível por cumprir: Essa figura notável foi D.NUNO ÁLVARES PEREIRA.
 
É nesse contexto e neste personagem que podemos assentar toda a nossa mística: por um lado, temos o herói, que o foi valorosamente com feitos importantes e inesquecíveis, e que de certo modo todos desejamos imitar ainda hoje. Não já o herói de capa e espada nem tão pouco o da banda desenhada ou dos filmes. Queremos ser heróis na vida quotidiana: o herói que arrisca a vida quando se senta ao volante do carro para ir trabalhar ou quando viaja de avião ou de navio; o herói quando luta pela sobrevivência para criar a sua família e educar os filhos; o herói quando enfrenta o egoísmo, a vaidade, a corrupção, a falta de lealdade, a inveja... tanto na fábrica como no escritório, como junto dos amigos ou meramente dos conhecidos. D. Nuno indica-nos sempre a tomar o caminho como um líder, um chefe, e não como um indivíduo amorfo; valente e não cobarde; animado e não enfadonho, alegre e com bom humor e não triste ou aborrecido.
 
A outra vertente de D. Nuno inspira-nos a chegar à santidade, objectivo final de qualquer cristão. Não devemos esquecer a mensagem do Papa João Paulo II, quando nos apela: “não tenham medo de ser santos”. D. Nuno ofereceu-nos o exemplo de solidariedade principalmente com os mais pobres; a humildade é revelada pelo abandono e doação da sua imensa fortuna, só equiparada ao do próprio rei, distribuída por aqueles que mais precisavam. A suavidade e a doçura da sua vida pura encontrou lugar quando se recolheu na Ordem dos Carmelitas, onde trocou as ricas vestes e a luzidia armadura, pelo burel castanho e remendado de um simples monge, como desejava ser o último servidor de Deus.
 
Por analogia podemos comparar parte da sua vida como a de um verdadeiro escuteiro. Se não vejamos. Começou como escudeiro da rainha, ainda muito novo, tendo para isso de fazer as “provas de adesão” que na época eram normais: comportamento na corte, etiqueta nas refeições, domínio das armas, treino de equitação, o gosto pela leitura, e muitas outras provas. Depois de ter ultrapassado as provas com êxito foi aprovado e investido como cavaleiro, aceitando as leis da cavalaria e do reino, ficando na véspera em meditação toda a noite, em abstinência e oração, a que podemos chamar estar em velada de armas ou em vigília de oração. Na manhã seguinte, foi vestido como cavaleiro, recebendo o arnês, as esporas, o elmo e por último a espada, seguindo-se depois o juramento. Como madrinha teve a própria Rainha D. Leonor. Todo este cerimonial leva-nos a comparar com a Promessa escutista, quando o escuteiro já trajando o uniforme, recebe as insígnias, o assistente coloca-lhe o lenço, a madrinha o chapéu ou o “beret” e por fim o chefe cumprimentando-o entrega-lhe a vara, saudando-o.
 
O Mestre de Avis, mais tarde D. João I era o chefe a quem D. Nuno prometeu fidelidade e respeito, e pelo seu mérito pessoal levou-o a alcançar o comando supremo do exército português, sendo designado como Condestável de Portugal.
 
É o caminho exemplar de um bom escuteiro que vai conquistando, ano após ano, as várias etapas de progresso, as suas competências e especialidades, os prémios, até vir alcançar a honra de ser designado Cavaleiro da Pátria.
 
Estes são os dons naturais do escuteiro, que transforma a simples boa-acção em actos profundos de solidariedade até mesmo de abnegação, por vezes com risco da própria vida; nesse sentido a galeria dos escuteiros heróis estende-se por todo o mundo.
 
É esse o nosso ideal, é esta a nossa mística, que por um lado tem como cenários os campos dos Atoleiros, de Aljubarrota ou de Valverde e por outro lado as ruínas do Convento do Carmo, em Lisboa, onde o Beato Nuno de Santa Maria morreu. Os seus restos mortais encontram-se actualmente na Igreja de Santo Condestável também em Lisboa.
 
Quando alguém te perguntar: qual é a mística da FNA? Conta-lhe esta história, à tua maneira, não esquecendo que ninguém cumpriu melhor os deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria que D. Nuno Álvares. Ele foi um bom cidadão e filho de Portugal, lutando sempre pela sua liberdade. Foi bom filho, bom marido e um esforçado pai, o que muito nos orgulha ter como patrono e modelo da nossa Associação.
 
O Dia de Beato Nuno comemora-se a 6 de Novembro.
publicado por fna-regiaodeaveiro às 21:09
link do post | comentar | favorito

.Plano 2013

FNA - RAvr (Plano 2013) Logotipo
FNA 102

.S. Nuno de Santa Maria

FNA 103

.Bandeira da Diocese de Aveiro

Bandeira da diocese 01

.posts recentes

. Aviso

. ...

. Aviso

. FNA - Núcleo de Anadia, n...

. Nasce em Anadia, novo Núc...

. FNA - Núcleo de Ílhavo, n...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

. FNA - Núcleo de Ílhavo, n...

. 06.11.2012 - DIA DE S. NU...

. FNA - Núcleo de Esgueira ...

. Coleção hipopótamo: Mais ...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

. Organização do Fescut'12,...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

. FNA - Núcleo Esgueira, re...

. FNA - Núcleo de Ílhavo, n...

. FNA - Região de Aveiro, e...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

. FNA - Núcleo de Esgueira,...

.arquivos

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

.pesquisar

 

.Novembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

.as minhas fotos